Em busca do esteticamente mal resolvido

Eu sou uma pessoa esteticamente mal resolvida. Não estou falando da aparência, porque a variação de percepção desta vai da “caolha meio estranha” à “menina de olhos que querem engolir o mundo”. E embora nenhuma dessas frases pareçam exatamente um elogio, recebo ambas com um sorriso de alegria, um mais escrachado, outro mais poético.

O que falo aqui é sobre textos mal resolvidos em sua estrutura estética. Eu gosto de escrever poemas, mas eles nunca estão dentro das métricas estabelecidas. As estrofes se desencontram, os versos tem dislexia e as rimas são totalmente tontas. Não raro ouço de amigos queridos, que juram gostar de partes das coisas que escrevo: “essa frase é incrível”, ou “essa palavra com essa outra parecem ter nascido juntas”, ou “a ideia geral é muito linda”.

Nunca tinha caído muito a ficha, porque sou daquele tipo de carente que passa semanas feliz com meio elogio (raspas e restos me interessam), mas um dia uma amiga me falou: “achei aquele poema muito lindo”. Oi? Tomei um susto tremendo, não consegui nem sorrir, nem respirar acho. Era uma referência 100% positiva ao todo e eu não estou habituada. No que ela sentenciou: “os outros tem coisas bonitas, mas este está bem resolvido esteticamente”.

Aquilo pra mim foi um horror! Como assim aquele está bem resolvido esteticamente? É claro que não está! Ela não entendeu o poema, a maior parte não entende, mas gosta de uma frase ou outra e está tudo bem! Como eu vou fazer agora para defender o meu estilo mal resolvido esteticamente como uma nova escola literária? Ou simplesmente, como eu vou fazer para sobreviver frente ao fardo de ter escrito qualquer coisa bem resolvida esteticamente?

Fiquei e estou sem chão até agora. Não consigo escrever uma linha de versos que tenha coragem de seguir. As palavras que costumavam pular na minha cabeça e simplesmente grudar no papel, espontâneas e aleatórias, tão mal resolvidas e felizes esteticamente simplesmente se enfiaram feito tatu-bola em algum buraco do meu corpo que me faz soluçar há dias.

Escrevo esse texto como um ato de desespero, no mais explícito e escancarado embate egoico já publicado na história deste blog. Minha esperança está nas minhas crônicas, que costumam ter passagens até engraçadinhas, mas nunca tem um bom final. E colaborem com o fim do soluço. Água não está resolvendo.

(Ai que alívio, mais um final trágico).

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: